Insuspeito

Ambiente e Urbanismo. E-mail: nunomarques2009@gmail.com. Também no FACEBOOK, em www.facebook.com\nunomarques2009.

14 junho 2011

Ele sentiu o peso da camisola do partido de Sá Carneiro

Um coro de avisos dizia-lhe o quão arriscado seria ficar com o ónus da precipitação de uma crise política mas Passos Coelho seguiu sempre o que a sua honra e a pureza da sua consciência lhe ditaram, crente de que o importante era manter-se genuíno, «sentir o peso da camisola do partido de Sá Carneiro» e rejeitar calculismos perversos.
Passos Coelho confiou no bom senso dos portugueses e cometeu, por isso, o que para muitos foi um autêntico «sacrilégio» político. E ao optar pela sinceridade, correu o risco calculado de não encantar o suficiente para conseguir governar sozinho. Foi, aliás, o que aconteceu. Mas o inteligente caminho que seguiu compensou-o na autoridade moral que é determinante para fazer as duras reformas que aí vêm. E isso, nesta altura, é se calhar tão ou mais importante para o país do que ter vencido com maioria absoluta.

Leia mais na edição de sexta-feira do jornal O Algarve. Ao sábado também com o Expresso.

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial